Salve-se quem puder

Qualquer português que fale com um europeu de um país do norte do continente, o que exclui apenas os espanhóis, os italianos e os gregos, que conheça o nosso país e que o tema de conversa seja a condução de veículos que se faz por cá, ficará a saber que quase todos os europeus acham que conduzir em Portugal é uma verdadeira aventura, mas das perigosas.

Há uns tempos atrás a RTP transmitiu uma breve reportagem que explica, sucintamente e de um modo muito simples, como se deve conduzir dentro das rotundas. A regra não é complicada, mas implica um sentido cooperativista, qualidade que não existe nos portugueses em geral e muito menos nos automobilistas.

Acho que a reportagem fala por si…
Não sei se repararam, mas na história que o taxista conta ele é que estava a circular mal. Julgo que o jornalista, mesmo depois de ter trabalhado a peça, não ficou a perceber lá muito bem como a coisa funciona.

Partilhar

Publicada porLuy  

4 comentários:

zeh disse... 26/01/09, 15:13  

Ou seja, dado que em caso de acidente o responsável é a pessoa que cumpria as regras, aqui fica mais um incentivo a fazer as coisas mal... como sempre, o "chico-esperto" é que sai a ganhar...

Luy disse... 27/01/09, 10:03  

Exactamente...

Depois do filme "Este país não é para velhos",deviam fazer um sobre a história de Portugal com o título "Este país não é para Parvos".

Ainda ontem estava à entrada de uma rotunda, à espera de uma oportunidade de poder entrar, e só via o pessoal a fazer rally pela faixa de fora.

Pedro José disse... 28/01/09, 12:38  

Este tópico faz-me lembrar um outro que postei há uns anos por altura da mudança do código da estrada e onde também me queixei da arbitrariedade dos mobilistas portugueses nas rotundas.

Ao fim deste tempo todo nada mudou. É vê-los a contornar rotundas inteiras pela faixa exterior, ainda por cima sempre com o pisca para sair, ou seja, quem tiver a tentar entrar na rotunda tem que adivinhar quando é que aquele pisca é efectivamente válido e o condutor vai mesmo sair.

Foi uma situação assim que levou ao meu primeiro acidente há uns meses atrás o_O (tive que travar bruscamente pelo chico-esperto a contornar a rotunda toda pela faixa de fora e outro chico-esperto distraído bateu-me por trás).

O que revolta ainda mais é, como foi aqui dito, a culpabilização de quem cumpre o código em caso de acidente numa rotunda. Só este factor anula qualquer lógica existente nas regras de condução nas rotundas :/

Enfim... *xuac*

Luy disse... 30/01/09, 09:12  

Portugal é uma verdadeira Vila Nova da Rabona... Não há dúvidas nenhumas... E em consequência temos os seus habitantes - os Rabões - que como têm o rabo grande, ocupam toda uma rotunda quando circulam por lá.
Está explicado.

Enviar um comentário