How Deep can we Dive?

Photobucket

Os Morcheeba surgiram em meados dos anos 90 com os irmãos Paul e Ross Godfrey, um dj e o outro músico, a recrutarem Skye Edwards para vocalista, numa festa em que foram apresentados.

Em 1996 surge o primeiro álbum, Who Can You Trust?, que não foi uma estreia brilhante, mas que chamou alguma atenção para o grupo, sobretudo com o primeiro single Trigger Hippie.

Contudo, foi com o segundo trabalho, intitulado Big Calm (1998), 18º lugar no top britânico, e nomeadamente com o último single extraído desse trabalho, Part of the Process, que os Morcheeba se consolidaram como uma banda internacional, saindo das fronteiras britânicas.

Os Morcheeba depressa amadureceram a sua música, criando um estilo inconfundível, caracterizado por uma mistura de estilos, que ía do trip hop ao R&B, do rock ao pop. A voz de Skye Edwards era também um dos principais ingredientes desta receita, sempre muito melodiosa e doce, como que a sussurrar por entre os sons mais orgânicos ou mais electrónicos das composições dos irmãos Godfrey.

Seguiram-se mais dois álbuns com esta formação: Fragments of Freedom (2000), marcado pelo single Rome Wasn't Built in a Day, o tema de maior êxito da banda até à data; e Charango (2002), com tendências chill out, e que apesar de ter sido um sucesso de vendas, apenas destacou o tema Otherwise, complementado por um excelente e bem-humorado vídeo.

Photobucket

Em 2003 Paul e Ross Godfrey dispensaram Skye Edwards, com a desculpa de pretenderemprosseguir por um caminho diferente e tentar novas experiências. A cantora, que era a imagem dos Morcheeba, também seguiu o seu percurso artístico a solo.

The Antidote (2005) foi o primeiro álbum que os irmãos Godfrey editaram sem Skye Edwards, que deixou a porta aberta para Daisy Martey, vocalista dos Noonday Underground. O disco, apesar de conseguir um 17º lugar no top britânico, passou despercebido, sem qualquer tema a marcar esta nova era do grupo.

Este ano, os Morcheeba voltam a uma nova vaga experimentalista com álbum Dive Deep. Convidaram vários vocalistas para dar forma às suas criações musicais e o single de apresentação intitula-se Enjoy The Ride, com a participação de Judy Tzuke, que colabora com dois temas para o disco. Thomas Dybdahl, Bradley Burgess e Manda são os restates nomes que colaboram vocalmente neste Dive Deep.

Esta mistura de colaborações resultou num álbum muito heterogéneo, mas pouco original. O álbum possui, inclusivamente, um tema em francês intitulado Au Dela, bastante simples, mas ao mesmo tempo encantador. Embora individualmente existam temas muito bons, não existe uma unidade do conjunto. As vozes de Judy Tzuke e Manda resgatam memórias de Skye Edwards, principalmente nos temas Enjoy The Ride ou Gained The World.

O resto do álbum revela influências trip hop dos Massive Attack, em Love Karma e The Ledge Beyond The Edge, e também do chill out produzido por Air ou Zero 7, nos temas Washed Away e Blue Chair. Trata-se, simplesmente, de um álbum de boas canções, mas desprovido de alma.

Os Morcheeba iniciam a 24 de Março uma digressão mundial, quem sabe se Portugal não fará parte da agenda, sobretudo tendo em conta os festivais de Verão.

Morcheeba – Dive Deep [2008]
(Nota: 7/10)

1. Enjoy The Ride (***)
2. Riverbed (***)
3. Thumbnails (interlúdio)
4. Run Honey Run (***)
5. Gained The World (****)
6. One Love Karma (**)
7. Au-Dela (***)
8. Blue Chair (***)
9. Sleep On It (***)
10. The Edge Beyond The Ledge (instrumental) (**)
11. Washed Away (**)

Partilhar

Publicada porLuy  

4 comentários:

Pedro José disse... 20/03/08, 16:21  

Eu pensava que eles já tinham morrido :p

Mas o vídeo é engraçado :)

Luy disse... 21/03/08, 20:10  

Estás a ver como os meus post são muito didácticos. Tens q ouvir o álbum todo, para depois dares a tua opinião.

Para além disso, é o período da Páscoa, da ressurreição.

Tu pensavas que eles tinha morrido. Foi tudo pensado :p

Boa Páscoa

Pedro José disse... 23/03/08, 17:35  

lol

Tonto! :p

... disse... 12/10/08, 16:02  

Adorei o blog , muitooooooo bom !!!

Enviar um comentário