It's Time to Pretend

Photobucket

Os MGMT são a última sensação da música americana de Nova Iorque, mais precisamente de Brooklyn, composta pelos jovens Ben Goldwasser e Andrew VanWyngarden.

Em 2002 os MGMT editaram um EP com o single Time To Pretend, que chamou a atenção da Sony/Columbia Records, com a qual o grupo acabou por assinar um contrato para a realização de 4 álbuns. O primeiro já foi lançado no início deste ano, chama-se Oracular Spectacular e o tema de apresentação foi precisamente Time To Pretend, uma canção com uma sonoridade inovadora, mas ao mesmo tempo a rivalizar com os sons mais sombrios da pop experimentalista do ambiente alucinogénico dos clubes de Nova Iorque dos anos 70.

Como jovens que são, os MGMT não recuperam apenas melodias dos anos 70, eles também recuperam as mensagens de rebeldia da juventude desses tempos. Em Time To Pretend eles assumem isso com frases como “This our decision, to live fast and die young/We’ve got the vision, now let’s have some fun”.

Produzido por Dave Fridimann, responsável por quase toda a discografia do Flaming Lips, Oracular Spectacular foi recebido no 12º lugar de vendas no Reino Unido. Curiosamente, não foi além da 129ª posição na Billboard americana, que continua dominada pelo R&B, o Hip Hop e a Soul, apesar da crítica americana ter aplaudido o projecto desde o início. Na realidade, os MGMT são uma lufada de ar fresco na criatividade da música norte americana e os europeus já perceberam isso.

Photobucket

A banda foi convidada para fazer a primeira parte do concerto de Manchester da digressão mundial dos Radiohead. Algo nada estranho, a avaliar pela familiaridade de sons entre os dois grupos. Mas nos MGMT também são notórias algumas influências da era mais alternativa de David Bowie nos anos 70, reconhecida no tema mais electrónico Weekend Wars; ou dos Oasis nos anos 90, no tema mais acústico em Pieces of What.

Electric Feel e Kids foram os seguintes singles a ser retirados deste primeiro álbum e são, na minha opinião, os temas mais interessantes.

O resultado final do disco é um género de pop-psicadélico-retro, um som fresco e audível, um pouco afastado dos experimentalismos mais alternativos. Os dotes vocais dos MGMT têm sido o seu calcanhar de Aquiles nesta rampa de lançamento. A maioria dos temas são cantados em coro e as vozes a solo têm efeitos electrónicos, o que levanta algumas limitações na reprodução ao vivo.

Os MGMT vão estar em Portugal para um concerto no Optimus Alive!08, a 10 de Julho. É para conferir ao vivo esta crítica, para quem estiver interessado e tiver oportunidade.

MGMT - Oracular Spectacular [2008]
Nota: 8/10

1. Time To Pretend (****)
2. Weekend Wars (****)
3. The Youth (****)
4. Electric Feel (*****)
5. Kids (*****)
6. 4th Dimensional Transition (***)
7. Pieces of What (***)
8. Of Moons, Birds & Monsters (****)
9. The Handshake (***)
10. Future Reflections (***)

Partilhar

Publicada porLuy  

3 comentários:

TheImpossiblePrince disse... 20/06/08, 02:31  

Vou tentar conhecer, pareceu-me interessante sim senhor. Obrigado pela dica.Um abraço.

Luy disse... 20/06/08, 19:31  

Vale a pena escutar :p

Depois, se tiveres oportunidade, deixa a aqui a tua opinião.

Podes clicar nos temas sublinhados e vais directamente para os videos dos 3 primeiros singles, colocados no Youtube...

:)

Pedro José disse... 23/06/08, 14:51  

Também desconhecia, som interessante, a descobrir em maior profundidade.

:)

Enviar um comentário