Apresentação: David Fonseca (3ªParte)

3ª Parte – Humanos

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

É no ano de 2004 que David Fonseca participa num dos projectos mais ambiciosos em Portugal: fazer renascer a música desconhecida de António Variações, um dos mais emblemáticos cantores pop da década de 80. O projecto, em parceria com Manuela Azevedo e Camané, pretendia redescobrir as demos nunca finalizadas de Variações e gravá-las num álbum único.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

A antecipação pelo álbum do público era elevada, mas nada fez adivinhar o fenómeno que os Humanos conseguiram alcançar com o seu projecto. Para além da crítica aclamada, Portugal pareceu deliciar-se com todos os singles que saíram desse álbum, redescobrindo, acima de tudo, a obra versátil e rica de António Variações nas vozes de David, Manuela e Camané e com arranjos modernos mas fiéis ao espírito Variações. Como foi dito, deste projecto saíram inúmeros clássicos, entre eles destacam-se:

Quero É Viver - Os acordes simples mas melódicos, uma constante na obra de António Variações, tem aqui um excelente exemplo. É um hino ao carpe diem. Vou viver/até quando, eu não sei /que me importa o que serei /quero é viver /amanhã, espero sempre um amanhã /e acredito que será mais um prazer.

Muda De Vida – O single de apresentação do projecto, tornou-se uma canção de esperança e de libertação interior do ser humano. Muda de vida/Se tu não vives satisfeito/Muda de vida/Estás sempre a tempo de mudar/Muda de vida/Não deves viver contrafeito/Muda de vida/Se há vida em ti a latejar.

Maria Albertina – Talvez seja a música mais marcante de todo o projecto, com a sua letra a cair no piroso, uma melodia simpática e viciante e, acima de tudo, uma boa disposição, tornaram este tema num clássico do Verão de 2005 e empurrando mais uma vez o álbum para as primeiras posições do Top Português. Esse teu nome eu sei que não é um espanto mas/é cá da terra e tem/tem muito encanto/Maria Albertina como foste nessa /de chamar Vanessa à tua menina.


To be Continued...

*Xuac*

Nota: Artigo completo editado na revista online www.revistaparadoxo.com

Partilhar

Publicada porPJ:  

0 comentários:

Enviar um comentário